Visão

Capitalismo vs Socialismo

O capitalismo contra o socialismo, qual destes sistemas é “moral”? Para responder a isso, devemos compreender melhor o que é moralidade e quais serão os critérios éticos que usaremos para julgar um sistema político. Nós não podemos simplesmente acreditar que todas as pessoas entendem e enxergam o significado de moralidade da mesma forma. Então vou começar apresentando o meu ponto de vista sobre moralidade, porque é isso que vai decidir este debate.

O que segura o critério da moralidade é a vida do homem. O que o homem exige por sua natureza para sobreviver, é o que consideramos bom ou moralmente.

A ferramenta humana fundamental para a sobrevivência é a sua razão e sua mente. A mente é nosso único meio de lidar com a realidade, para entender os fatos, para adquirir conhecimento confiável. A mente é a fonte básica de qualquer valor a ser pró-vida. Também dizia Sigmund Freud: A inteligência é o único meio que possuímos para dominar os nossos instintos.

Veja como exemplo, a imensa riqueza sem precedentes que existe ao seu redor, essa riqueza foi criada a partir da Revolução Industrial, sob o capitalismo. A riqueza não foi criado por músculos, mas essencialmente com a mente, o pensamento dos cientistas que descobriram novos conhecimentos, inventores que usaram esse conhecimento para criar novos produtos, os empresários que usaram suas mentes para conceber e organizar as empresas e torna-las produtivas em grande escala. Só o trabalho físico não é o que cria riqueza, todas as vezes anteriores tivemos uma abundância de trabalho físico. O que cria riqueza e todos os valores humanos é o pensamento. Desta forma, moralidade significa pensar, raciocinar, usar a mente e viver com base nela.

A vida requer egoísmo. Um organismo vivo tem que ser o beneficiário de suas próprias ações, tem que buscar objetos específicos para si mesmo, para seu próprio bem e sobrevivência. O que defini os valores de ganho, não perder, conseguir, não desistir, autopreservação, é o egoísmo e não o sacrifício de si mesmo.

Se a vida é o padrão de valor, então a moralidade não pode ser sacrifício, o sacrifício é incompatível com as exigências da vida humana, e com isso quero dizer qualquer tipo de sacrifício, seja de si mesmo para outros ou de outros para si mesmo. Muitas pessoas acreditam que a única opção é sacrificar aos outros, o que eles chamam de altruísmo, ou sacrificar outros para você, o que chamamos de egoísmo não é cortar sua própria garganta por causa de seus vizinhos, ou cortar suas gargantas para o seu próprio bem. Em qualquer caso, no entanto, uma coisa permanece a mesma, é a garganta de alguém que está sendo cortada, e a disputa é apenas sobre quem será a vítima.

Desta forma não devemos ficar discutindo sobre vítimas, devemos opor-se a ideia de cortar gargantas, em outras palavras, devemos ser contra o sacrifício. Um homem deve viver de forma independente, por sua própria mente e esforço, sem vítimas. Esse tipo de homem usa sua mente ao máximo e age em conformidade, em outras palavras, eu estou falando de um interesse pessoal “racional”, e em lidar com os outros isso significa trocar valor por valor, por consentimento mútuo e benefício mútuo. Isso significa que cada parte respeita a soberania e a liberdade dos outros, sem qualquer sacrifício de qualquer forma.

A ética do serviço social, a ética de autossacrifício, é o que está destruindo o mundo de hoje. Quem deve sacrificar, e em benefício de quem? De acordo com as teorias convencionais que ouvimos em todos os lugares, devemos sacrificar incompetentes ou competentes. Existem parasitas que produzem? Claro que não. Porque os produtores competentes não tem nada a ganhar com esse tipo de sacrifício? Em outras palavras, o denominador comum são aqueles que têm sucesso na vida e devem ser penalizados, porque eles têm sucesso, para premiar os perdedores, que são recompensados ​​por serem vencidos. Você não pode inventar um código de moralidade mais antivida do que isso, e o efeito prático só pode ser e é, destruir todos aqueles que conseguem viver com sucesso, reduzindo assim, toda a raça humana, que é o que você vê e está acontecendo em todo o mundo.

Como seria se você estivesse em uma situação problemática? E se todo mundo estivesse na mesma situação? Você não poderia sobreviver se você estivesse nessa situação, teria que contar com a generosidade voluntária e de caridade privada, “aqueles que não têm esses problemas”. Você teria que pedir ajuda como se fosse um favor, não um direito. Temos que admitir que os homens têm o direito de existir, e que o seu sofrimento não pode lhe tornar escravo do Estado. Em outras palavras, este não é o papel do governo. Mas qual é então? Defendo que o papel do governo é proteger cada indivíduo, precisamente para evitar que ele seja sacrificado pelos outros, para proteger a independência da mente do indivíduo, em outro palavras, para proteger os direitos individuais e deixar todo homem livre para agir de acordo com seu próprio julgamento e para seu próprio benefício, e é exatamente assim que o capitalismo funciona.

Eu quero enfatizar isso: o capitalismo “não é” o que temos hoje, ou seja, separação completa entre Estado e economia, descartando os favores do governo para qualquer grupo, sendo eles: empresários, trabalhadores, agricultores ou consumidores. Qualquer proteção tarifária, subsídios, franquias ou qualquer tipo de caridade e projetos sociais de bem-estar já descaracteriza o modelo capitalista. O capitalismo define que o papel do governo precisa ser como de um árbitro imparcial que impede os cidadãos de violarem os direitos individuais.

Resumidamente, o capitalismo é o sistema que deixa os homens livres para correr, o que permite que cada indivíduo seja livre para viver sua própria vida, suas próprias ideias e seus próprios julgamentos, para perseguir seus próprios objetivos, a negociar voluntariamente com os outros e um sistema baseado na moralidade do auto interesse racional.

O socialismo é o contrário. Embora os socialistas alegam que os benefícios individuais sob o seu sistema é inegável, o que ocorre é que o seu padrão de valor não é a vida do indivíduo, mas o bem-estar do grupo, comunidade, raça, nação ou o proletariado. Eles argumentam que é dever do indivíduo servir o grupo, sacrificando outros, como decretado pelo representante do grupo e seu porta-voz, o Estado todo-poderoso. Essa visão deve envolver, em última análise, a escravidão do indivíduo ao Estado, e, portanto, a destruição de todo o pensamento, a produção, o sucesso e, finalmente, da própria vida. No século XIX, quando éramos mais próximos do capitalismo, o resultado foi o mais alto padrão de vida e do maior intervalo de paz na história da humanidade. Quanto ao socialismo, olhe para o colapso da Grã-Bretanha, a Rússia Soviética, e lembre-se que a Alemanha nazista “significa” National Alemanha socialista. Os resultados do socialismo em todos os lugares são tão prejudiciais quanto poderíamos ter previsto.

Eduardo Thomas

capitalismo-socialismo

Translate »